Google+


Exposição revela estudo na capital mundial dos gêmeos
Mostra "Water Drops - Gotas de Água" do artista italiano Giovanni de Angeli, é uma das atrações do Museu de Arte de Blumenau.

Em uma parceria estabelecida com o curador internacional Massimo Scaringella, o Museu de Arte de Blumenau (MAB) apresenta na 3ª Temporada de Exposições do ano a mostra “Water Drops - Gotas de Água”, do artista italiano Giovanni de Angelis. A abertura da mostra ocorre quinta-feira, dia 6 de julho, às 19h, com uma vasta programação que inclui conversa com artistas, declamação de poesia e show musical. A exposição fica em cartaz até 30 de agosto, de terça-feira a domingo, das 10h às 16h. Visitas mediadas podem ser marcadas pelo telefone 3381-6176. A entrada é franca.

O projeto Gotas de Água aborda o tema da geminação numa dupla perspectiva - social e antropológica -, libertando-se do conceito de mera reportagem para examinar os temas da identidade, da singularidade do indivíduo e das suas relações com o "outro". Intrigado com as histórias e relatos de Cândido Godói, no Rio Grande do Sul, o fotógrafo partiu para a cidade gaúcha para ver com os próprios olhos o que chamam de "terra de gêmeos". Ele trabalhou no projeto junto com a psicoterapeuta Luisa Laurelli, que pôde conhecer e entrevistar pares de gêmeos para traçar seus perfis. As duas vertentes desta pesquisa, a artística e a científica, juntaram-se assim para investigar a situação social, psicológica e individual deste local e dos seus habitantes.

Cândido Godói é uma comunidade camponesa habitada por um enclave de famílias de origem alemã e polonesa, que apresentam uma das maiores taxas de nascimentos de gêmeos (equivalente a 10% de todos os nascimentos, dos quais 30% são homozigotos). Como revelou o escritor Jorge Camarasa, parece que esta anomalia remonta às experiências do médico alemão Joseph Mengele que, após a Segunda Guerra Mundial, fez uma série de estudos na aldeia com o objetivo de estabelecer os critérios para a criação de uma raça superior de humanos.

De Angelis e Laurelli vão além dessas suposições e investigam o processo evolutivo desses indivíduos, que examina a complexa criação do eu e da identidade pessoal por meio do reconhecimento de semelhanças e diferenças. É uma espécie de “narrativa educativa” que, nas fotos de De Angelis, não se dá pela comunicação verbal, mas pelos detalhes sutis de rostos, expressões e olhares. Pois é nos olhos dos assistentes que vemos a energia vibrante de uma construção do Eu, separado e distinto dos outros, e único.

Através das suas lentes, De Angelis olha para estes pares de gêmeos, tentando captar a singularidade de cada indivíduo e da sua identidade particular, que se reflete, mas não se confunde na imagem do outro. O formato das fotografias, que assenta na "gemelagem" dos lados de um quadrado, é o cenário ideal para esta profunda e delicada pesquisa sobre a ideia do "duplo" e sobre a formação do Self.

 

Saiba mais

Abertura da 3ª Temporada de Exposições no MAB

Data: quinta-feira, dia 6 de julho

 

Horários:

19h: conversa com curadores e artistas expositores

20h: abertura da 3ª Temporada de Exposições do MAB, lançamento de livros, declamação de poema e apresentação musical

Visitas: até 30 de agosto, de terça-feira a domingo, das 10h às 16h

Visitas mediadas: podem ser marcadas pelo telefone 3381-6176

Classificação indicativa de idade: Livre

Entrada gratuita

 

Exposição “Water Drops - Gotas de Água”

Artista: Giovanni de Angeli

Curador: Massimo Scaringella

Texto: Costanza Paissan

 

Sobre o artista:

Giovanni de Angelis nasceu em Nápoles. Vive em Roma desde 1992. Começou a fotografar na adolescência e desde logo desenvolveu um grande interesse pela investigação da percepção visual: em 2004 iniciou um estudo, Luceveloce, que investigava o potencial infinito da luz e da sua interação com os corpos. Em 2005 e 2006, suas investigações continuaram com “Luce dissolve”, que o levou a uma dimensão na fronteira entre a pintura e a fotografia, em que figuras solitárias, imóveis ou em movimento, atravessam feixes de luz com suas sombras.

A sua investigação continuou a evoluir e interessou-se cada vez mais por aspetos da modernidade, das metrópoles e da sociedade japonesa e indiana, como podemos ver em Strade con pioggia, Sui iki e Churchgate, em que o seu interesse pela cultura oriental é veiculado por via etnoantropológica olhos. Essas obras foram exibidas em muitas galerias. Seu interesse pelas metrópoles continuou então em seu projeto Bairros Contemporâneos, nas cidades de Tóquio, Tel Aviv e Varsóvia, e continua em trabalhos que colocam os jovens e seus ambientes no centro de sua pesquisa, descobrindo bairros urbanos habitados por uma humanidade em constante mudança.

 

Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello



postada em 30/06/2023 16:36 - 1127 visualizações



Fotos
  • Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação
  • Foto: Costanza Paissan/Divulgação
  • Foto: Massimo Scaringella/Divulgação