Google+


Oficina reforça a importância documental do acervo museológico
Ação contemplada no Prêmio Elisabete Anderle de Apoio à Cultura beneficiou mediadores do Museu de Hábitos e Costumes.

A museóloga Iara Claudineia Stiehler conduziu quarta-feira, dia 29 de junho, a Oficina Interna de Prática de Documentação do Museu de Hábitos e Costumes. A ação foi uma contrapartida social do projeto “Museu de Hábitos e Costumes: continuando a salvaguarda de seu acervo”, selecionado pelo Prêmio Elisabete Anderle de Apoio à Cultura – Edição 2021. O projeto tem previsão de término no decorrer deste mês. O secretário municipal de Cultura e Relações Institucionais, Rodrigo Ramos, ficou satisfeito com a parceria.

A oficina serviu para capacitar os mediadores que prestam auxílio à técnica da instituição nas práticas de documentação museológica. Dentro da atividade, Iara promoveu conversas com o grupo, apresentando o projeto e informando sobre a importância dos documentos mantidos pelo museu. “Tratamos do preenchimento das fichas com as informações dos objetos pertencentes ao Museu de Hábitos e Costumes”, disse ela. “A segunda parte da oficina foi a aplicação dos ensinamentos na prática, quando as mediadoras trabalharam com o processo de documentação.”

Durante o evento, a museóloga Marcella Monteiro Borel recebeu 150 fichas catalográficas e 450 fotos do acervo contemplado com as identicações. "A documentação museológica preserva as informações e a história dos objetos, sendo uma ferramenta essencial de comunicação, pesquisa e conservação do acervo", mencionou a museóloga.

Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello



postada em 01/07/2022 14:13 - 224 visualizações



Fotos
  • Foto: Divulgação/SMC