Google+


Memória Digital: Namoro e casamento
Para as meninas, as prendas domésticas eram requisitos em todas as classes.

Clarice Ehmke descreve em sua pesquisa realizada nas décadas de 1950 e 1960 que o modelo de vida perfeita estava alicerçado na ideia de casar, constituir família, manter bom emprego e alcançar nível econômico estável para manter-se confortável e garantir o futuro dos filhos. Para as meninas, as prendas domésticas eram requisitos em todas as classes e em qualquer lugar. Para tornar-se uma boa “dona de casa”, o aprendizado se estendia ao longo da vida de menina até a adolescência, era alternado com educação religiosa e escolar, “mas o espaço por excelência de educação das moças era o lar”. A diferenciação sobre o que era próprio para meninas e meninos sugeria a maneira de comportamento a ser seguido, partindo da condição sexual. E essa maneira de agir e pensar era repetida em todos os espaços da sociedade, família, escola e igreja.

 

Fonte: Fundação Cultural de Blumenau / Arquivo Histórico José Ferreira da Silva / Ehmke, Clarice. Namorar e casar: Perspectivas de casamento na década de 50. Revista Blumenau em Cadernos – tomo XLV – N.01/02 – Janeiro/Fevereiro – 2004. p.78-93



postada em 15/06/2018 08:34 - 175 visualizações



Fotos