Google+


MAB prepara homenagem aos 50 anos de arte de Reynaldo Pfau
Produção do artista conta com desenhos, pinturas, objetos e instalações.

A 4ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB) abre ao público no dia 8 de setembro tendo como destaque trabalhos do artista visual e comendador da cultura Reynaldo Pfau. Um recorte curatorial traz para o MAB parte da rica produção do artista em desenhos, pinturas, objetos e instalações. Obras permeadas pela paixão pelo estudo do meio ambiente e seu encantamento pela natureza, mescladas com suas áreas de formação acadêmica em Ciências Biológicas e Educação Artística.

A programação começa às 19h horas com a conversa com os artistas e apresentação das galerias. “A noite promete encantamentos, emoções e fascínio, tão próprios do artista homenageado”, comenta a gerente do museu, Mia Ávila. “Reynaldo Pfau comemora 50 anos como artista visual com uma produção rica em desenhos, pinturas, objetos e instalações.”

 Ao longo da carreira, o artista também atuou na indústria têxtil, como desenhista, foi professor de música e artes visuais. Sua formação acadêmica é em Ciências Naturais e em Educação Artística. “A paixão pelo estudo do meio ambiente e os seus temas gerais e específicos, o encantamento pela natureza e os desdobramentos aparecem permeando suas obras ao longo da trajetória artística, mesclando essas áreas do conhecimento”, diz Mia Ávila.

Nesse percurso, experimentou e explorou suportes diferenciados que vão do papel à madeira, preocupou-se em renovar a plasticidade dos materiais. “É no papel que se inicia a busca incessante pelos recortes, pelos vazados, pela costura bordada, pelos espaços e porque não dizer, pelos silêncios que habitam a sua produção artística”, explica a curadora Marilene de Lima Korting Schramm. “Reynaldo, mais uma vez, perpassa a sua arte com múltiplas materialidades, que deixam de ser o que são, quando passam do real para o mundo simbólico. Esses vazados surgem inicialmente em forma de delicadas rendas de papel. Composições visuais que apontam a inquietude do artista em ir além do que o suporte pode lhe oferecer”.

 

Ciclo da vida

 

Nesta busca incessante pela pesquisa de materialidades, o artista se encontra com a madeira, se aproxima, investiga e se convence da sua importância como elemento chave que atende às suas necessidades expressivas.  Seus desafios com este suporte se consolidam, quando transfere do papel para a madeira formas orgânicas e geométricas precisas, que determinam composições harmônicas em forma, cor, luz, sombra e textura. Ao evoluir na pesquisa, os recortes resultam em obras que são verdadeiras poesias visuais, que voam em formas aladas como borboletas multicores, e em árvores, flores, frutos de tamanhos variados. Arquétipos e metáforas representados por sementes e ovos evidenciam o interesse do artista pelos ciclos da vida.

As cores presentes no seu trabalho, durante este percurso histórico, merecem destaque pela consonância cromática, que confere identidade própria à obra. Em diferentes linguagens, demonstra em sua produção artística o cuidado na escolha das cores e seus matizes. Possui um viés cromático de extrema harmonia e delicadeza, que se intercala com composições de arte objetual, sobre fortes texturas de fundo.

Reynaldo Pfau chega à maturidade artística, usando a seu favor ciência e arte, como uma fonte inesgotável de criação, onde o passado, presente e futuro estão emaranhados, acontecendo neste exato momento. “O seu trabalho é visceral, os organismos se expandem, sinuosamente encontram fendas, entram, saem, alteram a realidade. Conforme Lindolf Bell (1996) “A obra pfauniana (pfauna, pflora e outros), em sua rede de referências construídas, surpreende, inquieta, e, sobre tudo, fascina”, concluem as curadoras.

 

Saiba mais

 

Abertura da 4ª Temporada de Exposições no MAB

Data: quinta-feira, dia 8 de setembro

19h: conversa com os artistas expositores

20h: abertura da 4ª Temporada de Exposições do MAB, lançamento de livro e apresentação musical

Visitação: até 26 de outubro, de terça-feira a domingo, das 10h às 16h

Visitas mediadas: podem ser marcadas pelo telefone 3381-6176

Classificação indicativa de idade: Livre

Visitas mediadas: podem ser agendadas pelo telefone (47) 3381-6176

Entrada gratuita

 

O artista

 

Reynaldo Pfau: (Blumenau-1949). É da Itoupava Seca, da Farmácia "Altona". Foram seus pais que lhe apresentaram ao Rio Itajaí-Açu e toda a natureza do Vale. Foi seu pai que o colocou em contado com os elementos para a manipulação de fórmulas e das possibilidades no manuseio de materiais. O artista formou-se em Ciências Biológicas e Educação Artística pela Furb. É professor de Artes Plásticas. Como artista plástico, expôs duas primeiras obras em 1969, na Galeria Açu-Açu, com Elke e Lindolf Bell. Fez exposições individuais em Blumenau, Florianópolis e Uberlândia (MG). Participou de inúmeras exposições, desde as Coletivas de Artes Plásticas Barriga-Verde até exposições por toda Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Participou também de leilões de Arte, de uma Bienal Nacional e ostenta prêmios em Exposições e Salões de Arte. Desde o início, sua temática é a natureza, e seu elemento principal - de suporte da expressão - é a madeira nas suas várias possibilidades de uso. O convívio, com os elementos da farmácia, fez parte da sua pesquisa uma gama de materiais, tintas, pigmentos naturais ou não. Trabalhou, aproximadamente, 20 anos como desenhista têxtil. Foi professor em escolas, no Teatro Carlos Gomes e na Furb.

 

Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello



postada em 05/09/2022 16:46 - 457 visualizações



Fotos
  • Foto: Divulgação/SMC
  • Foto: Divulgação/SMC
  • Foto: Divulgação/SMC
  • Foto: Divulgação/SMC
  • Foto: Divulgação/SMC