Google+


Edson Busch Machado lança o livro "Quem tem Medo da Cultura?"
Obra será apresentada ao público na abertura da 2ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau.

O livro "Quem tem Medo da Cultura?", de Edson Busch Machado, será apresentado ao público na abertura da 2ª Temporada de exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB). O lançamento da obra está marcado para 2 de maio, às 19h, no Museu de Arte de Blumenau (MAB), e nos meses seguintes, o lançamento também ocorrerá em outras quatro cidades catarinenses, além de Curitiba e São Paulo.

Edson é artista visual, curador de exposições, jornalista, gestor cultural e operário da cultura. Durante toda sua trajetória profissional foi um grande observador e provocador das diferentes facetas da arte catarinense. Agora, aos 71 anos, o autor presenteia os leitores com esta obra icônica que marcará a história do estado.

O livro é dirigido a pesquisadores, professores, estudantes de arte, gestores de entidades e instituições culturais, curadores, artistas, historiadores e interessados nos movimentos artísticos nos enfoques antropológicos e no desenvolvimento comportamental no país, sobretudo, nos estados de Santa Catarina e do Paraná nas últimas cinco décadas. Seus milhares de textos foram publicados em múltiplas plataformas e são preciosos registros de cinco décadas de história da arte de Santa Catarina, seus respectivos artistas e movimentos. “Sem dúvida, um livro que se tornará referência em todos os cursos de artes e de ciências humanas do país. Afinal, são cerca de 600 páginas e 2 mil citados entre artistas, museus e instituições de cultura, a maioria catarinense”, destaca o autor.

O processo de criação da obra ocorreu enquanto Edson estava isolado socialmente por conta da recente pandemia de Covid-19 que assolou o mundo. Edson aproveitou esse período para mergulhar no seu acervo pessoal presente na sua casa/museu, a partir de 2020, na tentativa de organizar gavetas, armários, arquivos, estantes, mapotecas, pastas de documentos, baús, caixinhas e caixotes com papéis diversos. “Esse amplo acervo representa os nossos esconderijos que nascem e crescem com o passar do tempo. Nos guardados procuro o que nunca esteve totalmente perdido”.

 

Garimpo

 

O que o autor não imaginava era que deste garimpo renderia surpreendentes redescobertas. Reencontro com antigos desenhos, fotografias reveladas e esquecidas, projetos inacabados, cartas e bilhetes, cadernos com anotações de viagens, catálogos de exposições, velhas revistas desbotadas, cartuchos de videocassete, aquele pré-roteiro abandonado de filme Super 8, esboços de histórias vividas, rascunhos de discursos e palestras proferidas, textos críticos, pequenos objetos obsoletos e muitos recortes de jornais amarelados. “Ali estavam textos e artigos que escrevi e publiquei durante décadas sobre artes visuais, dança, cinema, fotografia, patrimônio histórico, gestão cultural, economia criativa, leis de incentivo, viagens, diplomacia, comportamento e generalidades. Um farto e raro material iconográfico que nas mãos e às vistas de estudiosos, pesquisadores e curiosos em geral poderia proporcionar boas e didáticas informações”.

Desde então Edson passou a adiantar a tarefa de arquivista reunindo inicialmente centenas de escritos durante os 50 anos. Na maioria dos textos o autor escreve sobre o trabalho dos outros nas artes e lidas culturais, observando-os e tantas vezes admirando-os nos detalhes quase ocultos, enaltecendo trajetórias ou sugerindo caminhos a seguir em seus ofícios, despertando e revelando novos talentos, promovendo e contextualizando as manifestações das culturas nas comunidades, apontando possíveis soluções criativas na administração cultural. Mas também criticando o marasmo, a mesmice e a burocracia, mirando os acomodados círculos da cultura oficial pública, e a falta de consciência e de conhecimento no âmbito da sociedade alienada e da política sectária. “Creio que ao escrever sobre o trabalho dos outros, um pouco deste autor, mesmo que, às vezes controverso, também se revela, com o desejo de continuar provocando no leitor e suas múltiplas identidades.”, afirma.   

Todos os textos de Edson Busch Machado foram publicados originalmente nos jornais, revistas, catálogos e livros. Passaram pelo crivo de profissionais da escrita – jornalistas, editores, revisores, copy-desks, portanto chancelada sua gramática.

Após todo material ser selecionado pelo próprio autor, a produtora cultural Eula Regina Maciel elaborou minucioso projeto e encaminhou ao Programa de Incentivo à Cultura (PIC) para aprovação do Governo do Estado de Santa Catarina por meio da Fundação Catarinense de Cultura. Parceiro de primeiríssima hora do empresário José Maurício Coelho, CEO da C-Pack, que apoiou o projeto em sua totalidade e ainda acrescentou ideias para a circulação do livro com maior alcance social aos operários e funcionários de sua empresa sediada no município de São José. Já os detalhes técnico e editoriais ficaram por conta da Manuscritos Editora, com sede em Joinville, por meio da experiência de sua diretora Bernadete Costa.

 

Saiba mais

        

Lançamento do livro: Quem tem Medo da Cultura?

Onde: Museu de Arte de Blumenau, Rua 15 de Novembro, 161, Centro Histórico

Quando: 2 de maio, às 19h

Entrada livre

 

Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello



postada em 22/04/2024 13:59 - 653 visualizações



Fotos
  • Foto: Divulgação