Google+


Prefeitura oficializa desistência do imóvel que abrigava o antigo Besc
A decisão foi tomada após a contraposta efetuada pelo Banco do Brasil.

A Prefeitura de Blumenau oficializou na última quarta-feira, 15, a desistência da aquisição do imóvel que abrigava o antigo Banco do Estado de Santa Catarina (Besc), na Rua XV de Novembro. No ofício enviado à Superintendência do Banco do Brasil – atual proprietário do imóvel – o poder público informa que o valor proposto para venda, somado aos custos necessários para a adequação dos espaços, seria inviável para o poder público. 

A decisão foi tomada após a contraposta efetuada pelo Banco do Brasil, informando que o valor de venda da estrutura seria de R$ 11,3 milhões. Com isso, o município teria que desembolsar R$ 1 milhão a mais em comparação ao preço apontado pelo laudo de avaliação da Caixa Econômica Federal, realizado em novembro de 2018. 

De acordo com o laudo da Caixa, o valor de mercado da estrutura seria de R$ 10,2 milhões. A vistoria também apontou a necessidade de que o imóvel fosse “amplamente reformado”, informando em relatório que o prédio encontra-se abandonado, com instalações deterioradas, itens obsoletos, danificados ou inexistentes.  

Considerando os apontamentos feitos pela Caixa, a Prefeitura de Blumenau propôs o valor de compra de R$ 9 milhões. Esse montante, somado aos quase R$ 7 milhões necessários para os projetos de adequação e a reforma da estrutura, resultaria em um investimento de R$ 16 milhões. 

Além do valor elevado do imóvel com a reforma, um outro motivo para desistência da compra é a forma de quitação exigida pelo Banco do Brasil, que prevê o pagamento do valor em parcela única. Com isso, teríamos que realizar um empréstimo que impactaria, além do principal para aquisição e reforma, mais R$ 3 milhões em taxas e juros, totalizando R$ 22,3 milhões. Este é o valor resultante, considerando a proposta feita pelo Banco do Brasil, de R$ 11,3 milhões, o que está muito além da capacidade financeira da Prefeitura.  

O prefeito Mário Hildebrandt destaca que o objetivo seria utilizar o imóvel para agrupar secretarias que hoje funcionam em espaços alugados pelo poder público, reduzindo custos com locações além da racionalidade nos deslocamentos, tendo em vista a proximidade com o Paço Municipal. “Atualmente, algumas das estruturas com maior concentração de servidores, como é o caso da Secretária de Saúde e da Secretária de Educação, atendem em prédios descentralizados justamente pela dificuldade em encontrar local adequado para abrigar todas as atividades em um só espaço físico”, explica.

Estrutura
A estrutura que abrigava o antigo Besc possui cinco pavimentos, incluindo espaço térreo e sobreloja, somando 2,8 mil metros quadrados de área construída. O terreno tem área 2,6 mil metros quadrados e faz frente para a Rua XV de Novembro, com acesso de estacionamento para a Rua Amadeu da Luz. O prédio, que também abrigou o Banco do Brasil, após a incorporação do Besc, está vazio desde o início de 2017, quando diversas agências foram unificadas. 

Imóvel já havia ido a leilão
Em agosto de 2018 o Banco do Brasil já havia realizado um leilão para a venda do prédio, com lance mínimo de R$ 11,5 milhões, sem que houvesse qualquer interessado. A estrutura, um dos principais prédios comerciais da Rua XV de Novembro, continua fechada até hoje.  

 

Diretora de Jornalismo: Julia Voigt



postada em 17/05/2019 17:17 - 140 visualizações